Camisinha: conheça 9 tipos diferentes para se divertir na cama

Hoje em dia, usar o preservativo pode ser também uma forma divertida de inovar e apimentar o sexo. Conheça tipos diferentes de camisinha para ter mais prazer!

Além do material tradicional, existem diversos tipos de camisinha para deixar seu momento de prazer ainda melhor. Hoje em dia, o preservativo é pensado para ser também uma forma divertida de inovar e apimentar o sexo. Sendo assim, não há desculpa para não usar o preventivo, que é fundamental para a proteção contra doenças sexualmente transmissíveis.

Saiba as diferenças entre os tipos de camisinhas e escolha a seu preferido para o momento a dois!

Tipos de camisinha

1. Tradicionais

As camisinhas tradicionais são aquelas que vêm apenas com lubrificantes. Essa substância pode ser à base de água ou óleo de silicone.

2. Hot&Cold

Existem dois tipos de camisinha que prometem causar sensações quentes ou frias na hora do sexo.
Se você estiver a fim de esquentar ainda mais o seu momento a dois, a sua opção fica por conta da camisinha que tem como missão proporcionar uma sensação calorosa ambos os envolvidos na relação. A percepção se dá por conta de um lubrificante especial que, no momento do atrito, permite ao casal sentir um aquecimento.
A camisinha fria promete baixar a temperatura da transa. De forma refrescante, ela pode proporcionar novas e geladas sensações para aqueles que pretendem sair da rotina. A composição do sabor à base de hortelã também colabora para a hora de empolgação.

Continue lendo “Camisinha: conheça 9 tipos diferentes para se divertir na cama”

Comi o cuzinho da minha sogra evangélica com a minha esposa ouvindo

Bom, tudo aconteceu há mais ou menos um mês. O banheiro da casa onde moro com minha esposa precisou passar por uma reforma e por isso fomos passar duas semanas na casa dos meus sogros. Sempre nos demos muito bem com eles, são muito prestativos e respeitam a nossa privacidade.

Eu sempre tive um tesão secreto pela minha sogra. Ela é baixinha e bem magra, corpo esbelto e bem conservado para a idade (tem 52 anos). Desde que a minha esposa comentou comigo que o pai dela tinha problemas de ereção e que a minha sogra já havia reclamado com ela que sentia falta de sexo eu comecei a fantasiar comer a minha sogra para satisfazê-la.

Nos mudamos no final de semana e na segunda-feira minha esposa saiu cedo para trabalhar. Eu estou desempregado no momento e por isso passo o dia todo em casa. Meu sogro também saiu para trabalhar cedo pois precisava bater ponto. Fiquei sozinho com a minha sogra em casa e decidi que iria atiçar ela um pouco.

Apesar da casa ser pequena ela sempre arruma coisa para fazer, sejam as roupas ou limpar algo ou ficar na cozinha. Levantei para tomar café e ela estava já na cozinha picando legumes para o almoço, mas a mesa estava colocada. Dissemos bom dia e começamos a bater papo sobre a reforma e sobre a procura de emprego. Ela estava com uma calça folgada e uma blusinha velha, nada atraente, mas eu já estava ficando com o pau duro olhando para aquela bundinha pequena balançando com o bater da faca na pia.

Depois do café fui até o meu quarto e tirei a cueca, fiquei só com um short bem curto e apertado que deixava clara a minha ereção. Como sou bastante avantajado (19 cm) não tinha como não notar. Voltei para a cozinha e comecei a tirar a mesa e levar as coisas para a pia. Quando me aproximei da minha sogra e ela olhou para mim seus olhos rapidamente foram atraídos para o meu “pacote”, mas eu percebi que ela tentou disfarçar e rapidinho levantou a cabeça. Perguntou se eu havia comido bem e eu disse que sim, e continuei trazendo as coisas para a pia e fui aos poucos me aproximando dela por trás, até começar a esbarrar meu caralho na sua bundinha. Ela não disse nada e continuou picando os legumes, então eu continuei tirando a mesa e trazendo os pratos e talheres para a pia e “esbarrando” o meu pau duro na bunda da minha sogrinha.
Continue lendo “Comi o cuzinho da minha sogra evangélica com a minha esposa ouvindo”

A primeira experiência com casal

Mim chamo (Thaysa )fictício tenho 24 anos sou morena de 1.63 sou magra Mais tenho um bumbum arrebitado pequeno e seios lindos pelo menos é o que sempre ouço.
Bom a três anos conheci um casal e nos tornamos amigos depois de 6 meses acabei perdendo o contato e exatamente 1 ano após o rapaz mim procurou no meu trabalho disse que precisava falar comigo,

E nisto ele disse que iria mim deixar em casa depois do expediente fiquei receosa pois era casado mais aceito a carona então ele abriu o jogo comigo disse que queria ficar comigo e isso mim deixou sem graça e ao mesmo tempo com um tesão.

Era uma mistura de adrenalina ele era casado.

Mas ao final da conversa ele disse que a esposa dele também mim queria e eu fiquei sem ação ela mim procurou no dia seguinte e falou o mesmo que ele então eu aceitei Mas pra não mim assusta ela disse que iria apenas filmar e tirar fotos fomos ao meu ap Onde tudo começou.

Acabei ficando com o rapaz sua esposa observando tudo no início meio constrangedor Mas logo fiquei a vontade deixando bem a mostra oq tava acontecendo ele tocava meu corpo como ninguém beijo quente e veril acaricia minha pepeca delicioso fazendo com que ficasse extremamente molhada enquanto sua esposa tirava fotos e dominava atuando como diretora de um filme erótico mandando em cada cena ordenou que ele abocanhasse minha pepeca,

E ele assim fez louco de desejo se tocando enquanto chupava o líquido de saia de minhas contrações ao delirar de tamanho desejo não mim contive e gozei em sua boca gritando de prazer logo logo ele calou com uma pica grossa e babando fazendo com que eu chupasse aquele mastro que mim deixava louca,

Acariciei a cabeça comovimentos delicados com a ponta da língua olhando para ele como uma cadela no cio não demorou pra ele começar a destilar jatos de porra em minha boca foi o único momento em que sua esposa participou ela limpou tudinho meu rosto meus seios e sua pica por completo logo coloca capa e ele mim deixa de quatro a sua frente e começa a estocar violentamente e sem muita demora começo a fazer tudo que ele pede arranha morde chupa ele amava marcas cada arranhão era um grito de prazer,

Enquanto isso sua doce esposa filmava nosso momento louco e alucinante fiquei louca de tesão com aqueles grito não aguentei joguei o na cama e comecei a quicar naquele mastro aproveitando para dar tapas e mais aranhões até que Jhé anuncia que iria gozar mais uma vez então ela tira a capa dele e se lambuza com seu gozo quente e sorrindo diz que realizou o desejo de tomar seu leite enquanto ele gozava com cheiro de pepeca de outra espero que tenham gostado…..

Vendado pela cliente

Trabalho como garoto de programa e não escondo isso de ninguém. Prefiro que saibam disso disso logo no começo para não virem falar gracinhas. Trabalho por conta própria e como mulheres de todos os tipos.

Pedidos diferentes e inusitados fazem parte do cotidiano. Coisas que você nem ousaria imaginar. Alguns eu topo, outros coloco restrições e alguns raros, mesmo por todo dinheiro no mundo, nego veementemente.

A maioria das minhas transas chegam através de clientes regulares que indicam para suas amigas. Solteiras, casadas, noivas, tem de tudo. Elas querem uma noite de sexo gostoso ou eventualmente carinho. Alguém que as coloque deitada no colo e fique por horas apenas acariciando seus cabelos.

Era segunda de noite, meu dia de folga. Estava malhando na academia quando recebo um telefonema de um número desconhecido. Geralmente não atendo meu telefone em dia de folga. Tenho um celular com dois chips e removo chip de “trabalho” nesse dia. Tinha me esquecido naquela segunda e meio que por intuição acabei atendendo.

Os primeiros minutos de ligação de uma nova cliente são sempre muito parecidos. Geralmente ela está constrangida e teve que tomar coragem para me ligar.

Em plena era de mensagens instantâneas tudo deveria ter ficado mais fácil. Mas não ficou, o que elas querem comigo é o oposto de me ter numa lista de contatos registrado em seu telefone que um futuro (ou atual) companheiro possa encontrar.

Continue lendo “Vendado pela cliente”

Minha aluna de 19 anos ninfomaníaca

Em Abril, fui dar aulas em uma outra escola, num bairro não muito distante do centro. O perfil dos alunos não mudou, todos tinham entre 17 e 22, normal para uma escola técnica. Por motivos de reforma, os armários dos professores estavam localizados no corredor principal, onde os alunos também tinham acesso. Logo no segundo dia fui pegar meus livros e tinha um bilhete rosa dentro do meu armário que dizia: “finalmente um professor gato nessa escola”. Fiquei feliz com a recepção, mas o bilhete não estava assinado. Não sabia se vinha de alguma professora ou de aluna.

Os dias se passaram. Eu ficava tentando identificar quem seria a pessoa que havia escrito o bilhete. Buscava algum olhar mais atento, mas nem sinal. Até que apareceu outro recado no meu armário: “adorei sua roupa ontem. E essa barba fica muito bem em você, nunca tire! Pena que você não dá aula pra minha turma”. Bom, ao menos eu agora sabia que não dava aula pra ela, então podia procurar filtrando a partir desse dado. Passei a me concentrar nas alunas de outras salas, mas não deu resultado.

A maioria delas olhava de volta quando eu buscava seus olhos, mas nada que indicasse um interesse maior. Na semana seguinte, outro bilhete. “hoje eu não me aguentei, você estava lindo demais. Fui no banheiro e me toquei. Pena que não consegui gozar, alguém entrou e desconfiou. Mas em casa eu termino”.

Esse último bilhete, como vocês podem imaginar, fez minha imaginação ir a milhão. Fiquei maluco, não sabia como agir. Precisava descobrir quem era essa menina que estava mexendo com a minha cabeça. Mas duas semanas se passaram e nenhum outro bilhete apareceu. Já estava quase esquecendo o assunto. Achei até que alguém estivesse de sacanagem comigo. Alguém queria pregar uma peça no professor novo. É provável que seja isso, pensava.

Continue lendo “Minha aluna de 19 anos ninfomaníaca”

Apartamento 703

Conto escrito com Flavia Oliveira no Superela

Eu já estava mais que atrasada pra atender um cliente no 5° andar, o filho da puta inventou de fazer uma modificação no contrato com o seu sócio e eu, como advogada bem paga, fui lá verificar o que ele queria afinal! Entrei às pressas no elevador, e acho que era meu dia de sorte. Recebi um bom dia de um cara com aspecto de, no máximo, 35 anos de idade, perfume importado, bem vestido, chave na mão. Morador do prédio com certeza. Cabelo preto, alto, sorriso largo. Cara de safado. Não sei de onde veio o pensamento, mas ele tinha ar de dominador, pegada forte e safada!

Fazia meses que eu não transava, acho que isso já tava começando a influenciar meus pensamentos. Ele perguntou:

– Você mora aqui?
– Ah não não, vim apenas atender um cliente.
– E o que faz?
– Sou advogada.
– Ah, é mesmo?! Estou precisando de um advogado, será que poderia me dar seu cartão? Estou com uns problemas em alguns dos meus imóveis, sou construtor. Prazer, meu nome é Eduardo!
– Prazer, sou Maya, aqui está meu cartão! Eu fico aqui, tchau!

Continue lendo “Apartamento 703”

5 posições de sexo anal que você ainda não fez

Nada mal experimentar novas sensações na transa… Ainda mais quando elas são muito prazerosas!

 

1. Os iniciantes

Fique de costas para o gato, como se fossem deitar de conchinha e encolha suas pernas no peito. A sensação de segurança com o seu parceiro atrás de você vai te ajudar a relaxar, além de tornar a penetração mais fácil para ele. Peça para que o boy converse (com palavras sexy, claro!) ao pé do seu ouvido. Se a dor estiver superando o prazer, o que você pode fazer é usar um vibrador estrategicamente posicionado em seu clitóris.

2. Bumbum pra cima

Deite-se com a barriga para baixo e posicione um travesseiro na região inferior do seu abdome. Antes da penetração, o gato pode — e deve — fazer carinhos por toda a extensão das suas costas e pernas, além de iniciar a ação com alguns dedos, para que você possa ficar mais relaxada.

Continue lendo “5 posições de sexo anal que você ainda não fez”

Uma vez puta, sempre puta

Tenho um namoro um cara bem sem vergonha e pervertido, completamente liberal e adora coisas diferentes. Eu sem qualquer experiência, mas deixando claro que amo fazer sexo fui entrando no jogo dele e adorando cada vez mais, uma dia ele me falou de zona e garotas de programa, não sei porque aquilo me subiu um fogo danado e me deu muita vontade de conhecer, até então só conhecer, mas tudo mudou quando fui perguntar para ele e o mesmo me deu todo apoio para conhecer inclusive de se passar por uma puta e fazer um programa. Começamos a falar sobre e nunca fiquei tão exitada, meu corpo queimava. Ele ficou de achar um lugar a gente ir e eu fiquei imaginando como seria. A principio a minha idéia era nada mais que dar bem gostoso. Até que chegou o grande dia, ele fez contato com uma boate onde arrumou um cara para encontrar. Fomos até a boate eu suava frio sem saber como me comportar mas estava decidida. Chegamos e me apresentei onde chegou uma mulher linda e maravilhosa mandando a gente ir e ficar a vontade no salão. Sentamos e logo pedi uma cerveja, aquelas mulheres linda desfilando ainda poucos homens, mas na maioria bonitos. Meu namorado rindo de toda situação, estava mesmo sem lugar imaginando o que me esperava até que a moça chegou e falou que o meu cliente tinha acabado de chegar e me esperava no quarto onde me levou, nem tive tempo de me despedi de meu namorado.

Continue lendo “Uma vez puta, sempre puta”

Meu sobrinho me comeu menstruada

Meu nome é Vânia, sou bem branquinha, cabelos curtos escuros, olhos verdes, 38 anos, 1,65m, 60Kg, tipo gostosa, peitos salientes com bicos rosados, bundinha empinada e uma xaninha peludinha.

O que vou relatar aconteceu no começo deste ano; quando fui visitar minha irmã que mora em Ribeirão Preto SP.

Quando cheguei na casa de minha irmã me deparei com meu sobrinho Celso, o qual não via ha pelo menos 4 anos e fiquei surpresa com o belo rapaz, moreno claro, olhos cor de mel, porte atlético e um sorriso lindo. Sou solteira mas mantenho meus paqueras para manter o sexo em dia e fazia 2 semanas que eu estave só na vontade… jantamos juntos minha irmã, meu cunhado e Celso… de quem eu não tirava os olhos (ele percebeu e meio que se exibiu, falando mais alto e sendo atencioso com a titia). Quando deitei o sono não vinha e fiquei a rolar na cama pensando no gato que era meu sobrinho… resolvi tocar uma siririca e vi que estava menstruada (logo pensei que azar!!). Lá pela 2h da manhã ouvi um barulho na cozinha e fui ver o que era, encontrando Celso iluminado pela luz da geladeira aberta, somente de cueca, deixando amostra um volume maravilhoso entre as pernas. Falei que estave com sede e fui pegar agua na geladeira, momento este que ele me agarrou dizendo: – Sei bem a sua sede tia… você ficou me secando a noite toda… Neste momento, no qual eu estave com uma camisolinha fina de malha somente de calcinha por baixo, os bicos de meus seios ficaram duros marcando o tecido e a calcinha toda molhada de tesão. Celso me levou para seu quarto e quando ia partir para lamber minha xota, avisei que estave menstruada… ele baixou a cueca liberando uma rola dura como pedra de uns 18cm mas grossa como nunca tinha visto e disse: Não posso ficar neste estado… vai ser menstruada mesmo e meteu a rola na minha xana, dando inicio a um intenso vai-e-vem… gozei duas vezes, quando Celso tirou a pica ensanguentada e pois na minha boca… o nojo deu espaço ao tesão e chupei seu caralho até ele despejar toda sua porra em minha boca… era tanta porra que escorreu pelos meus seios e barriga. Sem perda de tempo meu sobrinho me virou de bruços e refeito do gozo com o mastro duro novamente, meteu sem dó no meu cuzinho (parece que ele adivinhou que eu amo dar o rabinho)… meteu forte até o saco bater em minha bunda e gozou enchendo meu cu de porra.

Adormecemos e por sorte acordei antes de minha irmã e cunhado, tomando um banho e voltando ao meu quarto. Na semana que foi hospede, meu sobrinho me comeu todos os dias… foi uma experiência fantastica.

Comendo a madrasta

Sempre imaginei comendo a madrasta, após a separação com a minha mãe, meu pai nunca teve uma outra mulher por muito tempo, namorava com algumas por um tempo mas nada muito sério. Hoje em dia, ele está junto com a protagonista desse conto, seu nome é Sonia, uma coroa que chama bastante a atenção não pela sua beleza, mas pela presença de mulher séria, alta e com belos olhos verdes.

Durante muito tempo, trabalhei com ele em sua loja e vez ou outra dormia em sua casa e foi uma dessas vezes que tudo começou. Ela tem um filho que hoje tem 25 anos, mas não devia ter nem 19 na época e costumava jogar bola com meu pai nas manhãs de Domingo em um clube na zona Sul de SP. Uma noite antes, tinha ficado até tarde num barzinho com meus outros irmãos e cheguei de madrugada, fazia um calor inacreditável e dormi só de cuecas no quarto do filho dela.

Acordei de manhã e percebi que ele já tinha saído com meu pai e achava que estava sozinho em casa, por isso desci a vontade e dei de cara com ela sentada no sofá da sala, com um baby doll muito curto, mostrando as pernas compridas dela e um decote largo que podia ver bem os seios e os bicos duros através deles, marcando bem.

Fiquei um tempo parado sem ação e a madrasta meio que ficou incomodada, mas não me impediu de circular assim pela casa. Me sentei na mesa para tomar meu café e depois de alguns minutos ela veio se juntar a mim e ficamos conversando. De perto, a marca dos bicos dos seios naquele baby doll estavam me deixando louco e ela percebeu que não conseguia tirar os olhos deles, passou então a provocar, estufando o peito, se espreguiçando, me atiçando…Nesse momento já estava de pau duro e se me levantasse, certamente ela perceberia.

Depois de um tempo comendo a madrasta, ela se levantou e foi até a pia para lavar a louça do café e então percebi a intenção dela, ao passar por trás de mim, passou as unhas nas minhas costas e beijou minha nuca como num belo pornô!

Me levantei e a encoxei ali mesmo na pia, me esfregando em sua bunda o short largo e ela sem calcinha, permitia que meu pau encaixasse em sua bunda e conforme ela rebolava, abraçava ele todo, querendo devorá-lo. A coloquei sentada na cadeira e segurando firme seus cabelos pela nuca, tirei o pau completamente duro para fora da samba canção, passando em seu rosto, batendo e fazendo charminho, acabou abocanhando e o chupando, engolindo, babando e deixando bem molhadinho. Engolia, subia devagar até a cabeça e depois voltava a engolir devagar, levantava e chupava as bolas, colocando na boca quente e macia dela. Subiu beijando meu corpo até a minha boca e se virou pra mim, apoiando as mãos na mesa e empinando a bunda, olhando para trás com um sorriso bem safado, os olhos verdes e grandes me olhando e me chamando. Tirei devagar aquele short e comecei a chupar sua buceta, abocanhando e devorando, cuspindo e depois passando a língua por toda a racha até penetrá-la com ela, apertando suas coxas, puxando contra mim para ir cada vez mais fundo.Sempre imaginei eu comendo a madrasta.

Ela gemia e rebolava, jogando o corpo para trás e batendo com a buceta no meu rosto. Levantei uma de suas pernas e apoiei sobre a mesa e segurando os quadris, enfiei meu pau duro de uma vez na bucetinha molhada dela, fazendo soltar um grito de prazer e apoiar o corpo toda na mesa, ficando completamente entregue…Fodia com força alternando a velocidade quando sentia que ia gozar e com isso, sentia os orgasmos dela quando se contraia, apertando a pica dentro, melando minhas bolas e suas coxas com seu melzinho. Estoquei até que dei uma gozada maravilhosa em suas costas, tremendo de tesão e suado. Nos beijamos ali mesmo na cozinha e ela foi me carregando para o quarto, onde começamos uma nova foda, com ela cavalgando em mim, arranhando meu peito e batendo na minha cara, dizendo coisas como “fode a mamãe, seu safado! Fode a mulher do seu pai!”. Aquilo me deixava ainda com mais tesão e logo dei outra gozada forte, dessa vez dentro de sua buceta, tão forte e gostosa quanto a primeira

Meu pai chegou com o filho dela no meio da tarde, já tínhamos tomado nosso banho e nos trocados depois de passar a manhã toda fodendo na cama que eles dormiam. Passei a frequentar a casa do meu pai com mais frequência e até hoje, sou muito bem recebido pela minha “mamãe”!

Continue lendo “Comendo a madrasta”