Comi minha vizinha novinha

Comi a minha vizinha novinha comprometida

Olha eu aqui de novo! Me chamo Anderson, hoje tenho 25 anos, sou moreno, magro, 1,70 de altura, 60 kg, não sou nenhum galã, mas tenho uma pegada muito firme e uma conversa boa! é o quarto conto que escrevo (tenho vários, caso gostem) peço desculpas qualquer coisa…

Isso faz uns 7 anos já… desde pequeno eu tinha uma vizinha chamada juliana, uma loirinha magrinha, olhos verdes, cabelo lisinho, peitos e bunda pequena… dava pra ver as veias dos peitinhos dela rsrs coisa mais linda. Quando era adolescente era louco por ela. Eu conhecia os irmãos dela, a gente jogava bola na rua direto. Mas eu nem conseguia fala que gostava dela e tal apesar de todo mundo perceber…

O tempo passou eu já estava terminando o ensino médio… como ainda erámos vizinhos eu a levava de moto pra escola (fazia pouco tempo). Ela já namorava um carinha que eu não gostava, então nem tentava nada. Só que um dia vi o namorado dela dando papo pra outras gurias na frente da escola, eu nada burro falei tudo pra ela e mostrei as gurias.

Ela ficou muito puta e eu claro me ofereci pra dar o troco, no começo ela ficou meio com o pé atrás, mas depois de um tempo ela aparece lá em casa em um domingo a tarde e tocou nesse assunto novamente, mas como meus pais estavam em casa nada aconteceu. Como segunda ia leva ela de novo, eu fiquei todo animado mal via a hora…

Chegou segunda feira e ela estava mais gata que o normal (o que era difícil). Levei ela normalmente, só que já dava pra ver a cara de puta com o namorado, os dois brigaram feio, chegou o final da aula eu montei na moto, ela também e logo em seguida ela sentou passando a mão por baixo da minha camiseta, com uma leve arranhada… meu caralho ficou duro na hora, tinha uns 18 pra 19 anos não nega bala não.

Segui o trajeto normal, chegando na esquina de casa ela pede pra mim para lá que ela queria “conversar” comigo, e eu nada besta fingi que estava muito encima e parei na próxima esquina que era mais escura. Ela já percebeu logo, desceu da moto e foi falando:

Ela: eu não ia fazer isso, mas aquele trouxa vai me pagar.

No mesmo instante ela chegou pertinho de mim (eu estava escorado na moto de frente pra ela) e me deu um beijo, sem pensa duas vezes eu já puxei ela pra mais perto e segurei firme a cinturinha dela e beijava com vontade aquela boquinha rosadinha.

Comecei solta as mãos da cinturinha dela e pega na bundinha dela com as duas mãos… eu apertava firme, com sede, e ela só se entregava. apertava os peitinhos dela e ela só deixava rola… não me segurei e fui metendo a mão por baixo da blusa dela apertando aqueles biquinhos duros, ela tinha uns 18 anos e era uma delícia (ainda é).

Continue lendo “Comi minha vizinha novinha”

Minha mulher é uma putinha

Meu nome é Ricardo, tenho 20 anos, 1,65, cabelo liso, barba e um bigodinho fininho haha,sou casado com a Christina que tem 18 anos, 1,45, cabelo aloirados cacheados, peitos médios e uma bunda enorme,além de uma sede de pica, vou contar uma história que aconteceu conosco.

Parecia ser um sábado qualquer, Christina tinha uma consulta no dentista e como seu celular ficou ruim pegou o meu emprestado para não ficar incomunicável na rua,para não ficar sozinho em casa resolvi chamar um amigo para jogar PES 2019 comigo e ele veio, Matias é um homem de 1,90, moreno e de porte físico magro.

Passamos a tarde jogando e falando besteira sobre futebol sexo e mulheres, quando de repente surge o assunto de ménage,contei a ele que consegui convencer a Christina a fazer e que o fato dela ser bi contribuía muito.

Matias disse que a sua namorada propôs um ménage a ele quando estava bêbada no motel e quando ele sugeriu uma amiga dela que é muito gostosa ela desistiu dizendo que não iria conseguir vê-lo com outra mulher.

Continue lendo “Minha mulher é uma putinha”

Conto erótico: Sobre aquela vontade de…

Hoje acordei com vontade de tapa na cara, puxão de cabelo e mordida na coxa. Querendo no fim do dia ou da noite me sentir dolorida. E, por favor, não me olhe assim!

Não quero nada leve, quero mordida na boca. Eu quero beijo nos lábios da minha buceta! Lambidas e mordidas, sugue e morda devagar. E não se esqueça, tem um pontinho lá dentro pra você por o dedo. E tem outro para, em movimentos leves e sincronizados, me estimular: meu clitóris! Não se esqueça dele!

Lambe. Mais um pouco. Na verdade fique aí um bom tempo. Depois suba um pouco, sem desviar os teus olhos dos meus e sugue meus seios. Eu sei que eles não são firmes e lindos. Muito menos siliconados. Mas são deliciosos! E sempre me diga isso!

Hoje quero ser chamada de puta. Gostosa. De cachorra. Me diga isso sem pudores e me chupa mais. Não tenha nojo.
Pode me beijar na boca agora e não tire seus dedos de dentro de mim. Gosto de sentir meu gosto. Me excita saber que você esteve me provando.

Hoje eu acordei gulosa. Preciso gozar, com dedos, lábios e língua.

Me coloque de quatro e meta sem dó. Me faz gritar, gemer e pedir mais. Mais. E mais.

Não para.

Puxe meus cabelos, com força! Pare um pouco. E me deixe louca de vontade de mais você em mim.

Dê-me lambidas em minha bunda. Estou louca de desejo e vontade de te sentir lá, no meu lugar proibido. Coloque um dedo. Me chupe de novo. Agora mais dedos.

Quero gozar. Já estou quase lá!

Quero sentir você dentro de mim de novo.

Eu quero falar, mas quero te deixar achar que quem manda é você. E você só me dá quando quiser.

Você chupa.

Continue lendo “Conto erótico: Sobre aquela vontade de…”

Faminta de porra

Estavam no apartamento dela aquela noite.

Ela era loira, os olhos verdes. e um lindo corpo. Ela não era magra, era cheinha, de formas redondinhas, mas não era gorda. Era gostosa, isso sim, muito gostosa… Que sorte que ela olhou para ele, correspondeu à paquera, aceitou os convites. Ele não era um cara feio, mas aquela loira era obra dos deuses.

Depois de um bom jantar (ela cozinha bem!), os dois se sentaram no sofá, um do lado do outro, e começaram a conversar. Ele não queria muito papo, queria a loira de sobremesa, e ela também não parecia a fim de conversar, fumando um cigarro.

Mas antes dele tentar fazer qualquer coisa, ela sorrindo pra ele começou a abrir o zíper da sua calça. Ele não esperava por isso, assim, no seco, sem um beijinho? Não que ele fizesse muita questão, mas sabia que mulheres gostam de preliminares. Bom, aquela não gostava.

Assim tão rápido, ele nem duro estava. Mas ela não se incomodou, e lentamente começou a massageá-lo com a mão. Ele se sentia cada vez mais excitado, e tentou tocá-la, mas ela sempre olhando pra ele, fez que não com a cabeça.

Ao ver o pau dele duro, abaixou-se e começou lentamente a passar a língua na cabecinha, sem pressa, percorrendo suas curvas, sentindo seu gosto. Ele fechou os olhos e se entregou, batendo uma enquanto ela brincava com a língua.

Dentro do ônibus

Era uma longa viagem. Todo mundo vai do interior pra cidade grande, mas poucos fazem o caminho de volta. O ônibus era de dois andares, mas ia vazio, com somente dois viajantes no andar de cima e o motorista, no andar de baixo.

Ela se sentou na janela, pois gostava de olhar a estrada, as cidades, os carros. Porém naquela madrugada escura, dava para enxergar pouca coisa. Estava calor e ela estava sem sono. Ela era uma linda morena, alta, de corpo cheio, cabelos longos, com uma franjinha que a fazia parecer mais menina. Mas quando se olhava para o corpo, para os seios fartos, as coxas grossas, percebia-se que era uma mulher.

De repente, o outro passageiro sai do fundo do ônibus e senta do lado dela. Como assim? Com tanto lugar pra sentar essa criatura vem sentar exatamente do meu lado? Mas antes de abrir a boca para reclamar, olhou para o companheiro de viagem: ele era moreno, bronzeado, um rosto bonito e sério, camiseta branca e calça cinza, de moletom.

Enquanto ela se perguntava sobre o que aquele estranho poderia querer sentando-se ao lado dela, ele lentamente começou a se acariciar, passando a mão por cima da calça de moleton, fazendo seu pau endurecer a cada movimento. Ela ficou surpreendida, mas não assustada. Porém não sabia se devia ficar quieta, se devia se levantar e reclamar para o motorista, ou…? Olhou para o rosto dele. Ele continuava sério, de olhos meio fechados, respirando mais profundamente. O tarado estava mesmo com tesão, pensou ela, e que merda, eu também.

Enquanto ele se acariciava, com o membro ainda dentro da calça, ela estava imóvel, mas quase sem sentir começou a se contorcer no banco. Ela podia ver o pênis duro apontando por debaixo da calça, o movimento de vai e vem da mão dele, sua respiração cada vez mais forte, e queria brincar também, mas não sabia como. De repente, ainda sem olhar para ela, ele segurou a mão dela e a fez acariciá-lo também. Era maior do que ela pensava, duro, inchado e latejava.

Continue lendo “Dentro do ônibus”

Quando dei para meu professor da faculdade

Era mais uma terça-feira de aula na minha faculdade de psicologia. Eu, Daniele, após quatro meses, já estava bem habituada ao ambiente, tinha alguns amigos, vários colegas e até batia papo com os professores. Um deles me chamava bastante a atenção, seu nome era Robson, um moreno alto que dava aula de Introdução à Psicologia.

Robson tinha 32 anos e eu somente 18, mas não ligava para isso. Lembro que a cada aula dele não conseguia tirar os olhos de seu corpo. Simplesmente, o homem me seduzia. Por causa disso, acabava tendo um pouco de dificuldade para me concentrar nas aulas. Por incrível que pareça, a matéria dele era a única que estava indo mal.

Continue lendo “Quando dei para meu professor da faculdade”

Camisinha: conheça 9 tipos diferentes para se divertir na cama

Hoje em dia, usar o preservativo pode ser também uma forma divertida de inovar e apimentar o sexo. Conheça tipos diferentes de camisinha para ter mais prazer!

Além do material tradicional, existem diversos tipos de camisinha para deixar seu momento de prazer ainda melhor. Hoje em dia, o preservativo é pensado para ser também uma forma divertida de inovar e apimentar o sexo. Sendo assim, não há desculpa para não usar o preventivo, que é fundamental para a proteção contra doenças sexualmente transmissíveis.

Saiba as diferenças entre os tipos de camisinhas e escolha a seu preferido para o momento a dois!

Tipos de camisinha

1. Tradicionais

As camisinhas tradicionais são aquelas que vêm apenas com lubrificantes. Essa substância pode ser à base de água ou óleo de silicone.

2. Hot&Cold

Existem dois tipos de camisinha que prometem causar sensações quentes ou frias na hora do sexo.
Se você estiver a fim de esquentar ainda mais o seu momento a dois, a sua opção fica por conta da camisinha que tem como missão proporcionar uma sensação calorosa ambos os envolvidos na relação. A percepção se dá por conta de um lubrificante especial que, no momento do atrito, permite ao casal sentir um aquecimento.
A camisinha fria promete baixar a temperatura da transa. De forma refrescante, ela pode proporcionar novas e geladas sensações para aqueles que pretendem sair da rotina. A composição do sabor à base de hortelã também colabora para a hora de empolgação.

Continue lendo “Camisinha: conheça 9 tipos diferentes para se divertir na cama”

Comi o cuzinho da minha sogra evangélica com a minha esposa ouvindo

Bom, tudo aconteceu há mais ou menos um mês. O banheiro da casa onde moro com minha esposa precisou passar por uma reforma e por isso fomos passar duas semanas na casa dos meus sogros. Sempre nos demos muito bem com eles, são muito prestativos e respeitam a nossa privacidade.

Eu sempre tive um tesão secreto pela minha sogra. Ela é baixinha e bem magra, corpo esbelto e bem conservado para a idade (tem 52 anos). Desde que a minha esposa comentou comigo que o pai dela tinha problemas de ereção e que a minha sogra já havia reclamado com ela que sentia falta de sexo eu comecei a fantasiar comer a minha sogra para satisfazê-la.

Nos mudamos no final de semana e na segunda-feira minha esposa saiu cedo para trabalhar. Eu estou desempregado no momento e por isso passo o dia todo em casa. Meu sogro também saiu para trabalhar cedo pois precisava bater ponto. Fiquei sozinho com a minha sogra em casa e decidi que iria atiçar ela um pouco.

Apesar da casa ser pequena ela sempre arruma coisa para fazer, sejam as roupas ou limpar algo ou ficar na cozinha. Levantei para tomar café e ela estava já na cozinha picando legumes para o almoço, mas a mesa estava colocada. Dissemos bom dia e começamos a bater papo sobre a reforma e sobre a procura de emprego. Ela estava com uma calça folgada e uma blusinha velha, nada atraente, mas eu já estava ficando com o pau duro olhando para aquela bundinha pequena balançando com o bater da faca na pia.

Depois do café fui até o meu quarto e tirei a cueca, fiquei só com um short bem curto e apertado que deixava clara a minha ereção. Como sou bastante avantajado (19 cm) não tinha como não notar. Voltei para a cozinha e comecei a tirar a mesa e levar as coisas para a pia. Quando me aproximei da minha sogra e ela olhou para mim seus olhos rapidamente foram atraídos para o meu “pacote”, mas eu percebi que ela tentou disfarçar e rapidinho levantou a cabeça. Perguntou se eu havia comido bem e eu disse que sim, e continuei trazendo as coisas para a pia e fui aos poucos me aproximando dela por trás, até começar a esbarrar meu caralho na sua bundinha. Ela não disse nada e continuou picando os legumes, então eu continuei tirando a mesa e trazendo os pratos e talheres para a pia e “esbarrando” o meu pau duro na bunda da minha sogrinha.
Continue lendo “Comi o cuzinho da minha sogra evangélica com a minha esposa ouvindo”

A primeira experiência com casal

Mim chamo (Thaysa )fictício tenho 24 anos sou morena de 1.63 sou magra Mais tenho um bumbum arrebitado pequeno e seios lindos pelo menos é o que sempre ouço.
Bom a três anos conheci um casal e nos tornamos amigos depois de 6 meses acabei perdendo o contato e exatamente 1 ano após o rapaz mim procurou no meu trabalho disse que precisava falar comigo,

E nisto ele disse que iria mim deixar em casa depois do expediente fiquei receosa pois era casado mais aceito a carona então ele abriu o jogo comigo disse que queria ficar comigo e isso mim deixou sem graça e ao mesmo tempo com um tesão.

Era uma mistura de adrenalina ele era casado.

Mas ao final da conversa ele disse que a esposa dele também mim queria e eu fiquei sem ação ela mim procurou no dia seguinte e falou o mesmo que ele então eu aceitei Mas pra não mim assusta ela disse que iria apenas filmar e tirar fotos fomos ao meu ap Onde tudo começou.

Acabei ficando com o rapaz sua esposa observando tudo no início meio constrangedor Mas logo fiquei a vontade deixando bem a mostra oq tava acontecendo ele tocava meu corpo como ninguém beijo quente e veril acaricia minha pepeca delicioso fazendo com que ficasse extremamente molhada enquanto sua esposa tirava fotos e dominava atuando como diretora de um filme erótico mandando em cada cena ordenou que ele abocanhasse minha pepeca,

E ele assim fez louco de desejo se tocando enquanto chupava o líquido de saia de minhas contrações ao delirar de tamanho desejo não mim contive e gozei em sua boca gritando de prazer logo logo ele calou com uma pica grossa e babando fazendo com que eu chupasse aquele mastro que mim deixava louca,

Acariciei a cabeça comovimentos delicados com a ponta da língua olhando para ele como uma cadela no cio não demorou pra ele começar a destilar jatos de porra em minha boca foi o único momento em que sua esposa participou ela limpou tudinho meu rosto meus seios e sua pica por completo logo coloca capa e ele mim deixa de quatro a sua frente e começa a estocar violentamente e sem muita demora começo a fazer tudo que ele pede arranha morde chupa ele amava marcas cada arranhão era um grito de prazer,

Enquanto isso sua doce esposa filmava nosso momento louco e alucinante fiquei louca de tesão com aqueles grito não aguentei joguei o na cama e comecei a quicar naquele mastro aproveitando para dar tapas e mais aranhões até que Jhé anuncia que iria gozar mais uma vez então ela tira a capa dele e se lambuza com seu gozo quente e sorrindo diz que realizou o desejo de tomar seu leite enquanto ele gozava com cheiro de pepeca de outra espero que tenham gostado…..

Vendado pela cliente

Trabalho como garoto de programa e não escondo isso de ninguém. Prefiro que saibam disso disso logo no começo para não virem falar gracinhas. Trabalho por conta própria e como mulheres de todos os tipos.

Pedidos diferentes e inusitados fazem parte do cotidiano. Coisas que você nem ousaria imaginar. Alguns eu topo, outros coloco restrições e alguns raros, mesmo por todo dinheiro no mundo, nego veementemente.

A maioria das minhas transas chegam através de clientes regulares que indicam para suas amigas. Solteiras, casadas, noivas, tem de tudo. Elas querem uma noite de sexo gostoso ou eventualmente carinho. Alguém que as coloque deitada no colo e fique por horas apenas acariciando seus cabelos.

Era segunda de noite, meu dia de folga. Estava malhando na academia quando recebo um telefonema de um número desconhecido. Geralmente não atendo meu telefone em dia de folga. Tenho um celular com dois chips e removo chip de “trabalho” nesse dia. Tinha me esquecido naquela segunda e meio que por intuição acabei atendendo.

Os primeiros minutos de ligação de uma nova cliente são sempre muito parecidos. Geralmente ela está constrangida e teve que tomar coragem para me ligar.

Em plena era de mensagens instantâneas tudo deveria ter ficado mais fácil. Mas não ficou, o que elas querem comigo é o oposto de me ter numa lista de contatos registrado em seu telefone que um futuro (ou atual) companheiro possa encontrar.

Continue lendo “Vendado pela cliente”