Apartamento 703

Conto escrito com Flavia Oliveira no Superela

Eu já estava mais que atrasada pra atender um cliente no 5° andar, o filho da puta inventou de fazer uma modificação no contrato com o seu sócio e eu, como advogada bem paga, fui lá verificar o que ele queria afinal! Entrei às pressas no elevador, e acho que era meu dia de sorte. Recebi um bom dia de um cara com aspecto de, no máximo, 35 anos de idade, perfume importado, bem vestido, chave na mão. Morador do prédio com certeza. Cabelo preto, alto, sorriso largo. Cara de safado. Não sei de onde veio o pensamento, mas ele tinha ar de dominador, pegada forte e safada!

Fazia meses que eu não transava, acho que isso já tava começando a influenciar meus pensamentos. Ele perguntou:

– Você mora aqui?
– Ah não não, vim apenas atender um cliente.
– E o que faz?
– Sou advogada.
– Ah, é mesmo?! Estou precisando de um advogado, será que poderia me dar seu cartão? Estou com uns problemas em alguns dos meus imóveis, sou construtor. Prazer, meu nome é Eduardo!
– Prazer, sou Maya, aqui está meu cartão! Eu fico aqui, tchau!

Continue lendo “Apartamento 703”

Primeiro dia de emprego acabei tomando pirocada

Sou a Cris tenho 25 anos , olhos azuis , sou branca seios médios , boca carnuda , bumbum arrebitado ,cabelos longos loiros , Sou uma loira muito gosta , minha buceta e rosinha juntamente com o bico de meus seios .

Ia começa no meu primeiro emprego como secretaria de um advogado ,achei isso muito legal pelo fato do salário ser super legal , então me arrumei com uma roupa bem justa em meu corpo uma saia não muito curta mais que deixavam minha coxas grossas a mostra , juntamente com um uma blusa branca deixando a mostra meu sutiã vermelho , um belo decote , salto alto vermelho , ao chegar no primeiro dia de trabalho nossa todos me olhavam as mulheres faziam cara de nojo , mais os homens só faltavam deita no chão pra eu passar por cima , nunca gostei de calcinha então nem coloquei ,quando cheguei no escritório meu patrão logo me chamo na sala dele , quando entrei ele , deixo cair seu café encima das pernas dele , eu logo foi ajudar peguei um paninho e foi limpando , rapidamente percebi que são olhos estavam direcionado aos meus seios , sorrir maliciosamente e disse ;

-O senhor se queimo ? precisa de alguma coisas ?
Ele sorrio pra mim e disse que estava tudo bem , e que não precisava , sai caminhando em direção a minha mesa que ficava ao lado da sala dele .O dia foi passando e foi dando 16:00 horas eu ia sair as 17:00 foi quando ele ligou pro tel de minha mesa e disse :

– Cris pode fica comigo ate mais tarde ? tenho uns papeladas pra arruma e preciso de sua ajuda .
Eu disse ;
-Tudo bem Senhor posso sim .
Ele :

Continue lendo “Primeiro dia de emprego acabei tomando pirocada”

Amarrada, vendada e…

Meu nome é Sofia, sou uma estudante universitária de 19 anos, bastante alta, magra, com cabelos longos e castanhos.

Quero contar para vocês o que aconteceu comigo há algumas noites.
Estava em casa, esperando meu namorado. Era um tempo que não tinha me encontrado com ele e estava com um desejo de ser fodida que vocês não têm idéia. Estava pensando em como eu poderia deixa-lo louco quando ouvi a campainha tocar.
Estava vistindo um espartilho com suspensórios em renda preta e saltos, fui para abrir a porta e encontrar meu namorado.
“Eu tenho uma surpresa para você. Esta noite eu quero tentar algo novo, você tem que confiar em mim completamente, embora!” me e, em seguida, me jogou imediatamente contra a parede e me beijou.
“Eu confio em você”, lhe digo.

Continue lendo “Amarrada, vendada e…”

Meu ginecologista me comeu no seu consultório

Como faço semestralmente, já que tenho uma vida sexual bem ativa, marquei com minha Ginecologista, Dra Priscila para exames de rotina, sempre bom né. Passei normalmente ela solicitou exames para avaliar e assim fizemos. Meu nome é Camilla tenho 35 anos ou alta, 177 por 73 kilos. Sou branca, ruivinha seios durinho e bunda firme. Tenho um filho e sou separada. Na época desse relato eu tinha 30, quase 31 anos.
No dia marcado peguei os resultados de meus exames e fui mostrar para a Dra. Chegando lá a recepcionista me avisou que a Dra havia viajado por urgência e as pacientes que não deu tempo de avisa (meu caso, por exemplo) o Dr. Thiago estava atendendo para ela ou eu poderia remarcar. Como não estava sentindo nada e era apenas rotina, decidi passar com o Dr. Thiago, que na verdade eu não conhecia. De repente ouço chamar meu nome, entro na sala e para minha surpresa o Dr. Thiago era ‘o Doutor’… Um homem de uns 45 anos, mais ou menos 1,84 de altura. Cabelos um pouco grisalhos. Corpo muito atraente e um olhar que me esquentou todinha… Pronto já estava desejando o pobre medico kkkk.
Assim que entrei na porta, ele apontou a cadeira e muito cordial disse: sente-se e fique a vontade, que bom que não correu de mim. Eu sorri e disse por que doutor: eu deveria? Disse me insinuando discretamente. Ele respondeu: Não, não. É que algumas pacientes da Dra Priscila estão remarcando, acho que não gostam de passar com médicos, da pra entender.
Mas vamos lá e pegando meus exames foi logo abrindo analisando o resultado e eu olhando todo seu corpo… Olhando seu tórax, seus pêlos levemente saindo pelo jaleco, e em silêncio imaginado quantas coisas seria bom de fazer com esse médico, alias lembrei que nunca tinha transando com um médico, e sorri. Eu abaixava o olhar e percebia o Doutor olhando para mim por traz dos exames. Então finalmente o Doutor olhou para mim e percebendo que eu o olhava disse: Que bom que esta sorrindo, porque seus exames não deram nada, nenhuma alteração e isso é ótimo né. Eu estava ficando muito excitada, mas tentava me conter. Era inédito e perigoso como eu gosto. Então o Dr. Thiago disse: Camilla vai até o banheiro e tire toda a roupa, coloque o avental para que eu possa te examinar. Nessa hora percebi que meu desejo não ia dar em nada, afinal, ele estava ético demais, então respondi que tudo bem e fui me trocar… Assim que entrei no banheiro ouço o interfone tocar, era a recepcionista dizendo que eu era a ultima paciente antes do almoço e se ela poderia ir almoçar, pois estava com um ligeiro atraso. Ele disse que sim e pediu que ela batesse a porta principal, que tinha trava automática, que quando terminasse minha consulta ele também iria. Ela agradeceu e foi. Estávamos sozinhos na clinica!!!

Continue lendo “Meu ginecologista me comeu no seu consultório”