Eu, minha namorada e a empregada

Uma ex namorada que tive foi uma das pessoas mais interessantes que conheci. Samara era uma loirinha linda, baixinha gostosa, coxas grossas, seios médios e muito sapeca. Em todos os sentidos. Sempre brincalhona, com um sorriso magistral, ela sempre me chamou a atenção desde o primeiro momento que a vi. Mas algumas outras qualidades também chamavam a atenção dela e o principal dizia respeito à sua tara sexual. Transávamos sempre, em qualquer lugar, em qualquer situação e aos poucos fui descobrindo outras vertentes bacanas dela. O fato era que Samara era muito liberal no sexo. Completamente sem pudores.

De todas as aventuras que tivemos juntos, talvez a que mais me impressionou foi a que vou relatar a seguir.

Samara morava com os pais e um irmão mais novo. Numa determinada época a família dela perdeu a empregada que trabalhou lá por muitos anos e em pouco tempo eles contrataram uma nova. Ela se chamava Cíntia e era uma morena muito bonita, com cabelos negros, corpo bem esculpido, tímida à princípio. Mas talvez a convivência com Samara tenha mudado isso e logo ela tinha toda a liberdade possível com a família e até comigo, que vivia na casa de Samara.

Um certo dia, chegamos na casa dela e a casa estava deserta. Todos tinham saído, inclusive Cìntia que parecia ter ido ao mercado. Samara apenas olhou pra mim com aquela cara de safada que ela sempre teve. Peguei pelo braço dela e a levei até a cozinha, onde tinha uma mesa de madeira enorme. As cadeiras altas, resistentes, proporcionavam o cenário perfeito para uma boa trepada. Sentei Samara em cima da mesa e rapidamente abri suas pernas, arrancando a calcinha por baixo do vestido que ela usava. Sentei na cadeira e caí de boca na sua boceta, que já estava encharcada. O cheiro gostoso da boceta ensopada, misturada com o cheirinho de suor dela, me excitava ainda mais. Despertava em mim o macho que queria saciar a vontade de sexo. Eu lambia sua boceta com muito tesão, puxando os lábios, deslizando a língua até o cuzinho dela. Em meio a gemidos de prazer, Samara pedia que eu enfiasse a língua com mais força, mais fundo. Ela passava as mãos pelos meus cabelos, puxava e depois forçava minha cara para o meio de suas pernas. Meu pau latejava dentro da calça e eu já sentia que ele estava babando por ela. Samara gozou gostoso na minha boca e queria retribuir.

Trocamos de lugar. Era a vez dela brincar. Sentei na mesa e furiosamente ela arrancou meu pau pra fora da calça, pelo buraco da braguilha. Começou uma mamada fenomenal, lambendo da base até a cabeça e deixando meu pau completamente lambuzado. Ela engolia o quanto podia, como sempre fazia. Ela sabia que eu adorava a sensação dela engasgando e quando tirava a boca, ela derramava um fio espesso de saliva e então punhetava meu pau deliciosamente. Ora ou outra eu segurava na sua cabeça, tirava as mãos dela do meu pau e ficava brincando de foder sua boca. Soltava sua cabeça e então ela olhava pra mim, com a boca toda lambuzada e aquele sorriso lindo no rosto.

A excitação estava num nível elevadíssimo, tanto que não percebemos que estávamos sendo espiados pela empregada. Cíntia estava na porta da cozinha, olhando tudo e sem falar nada. Tomamos um baita susto e Cíntia, toda sem graça, escondeu-se no cômodo ao lado. Nos recompomos, vestimos nossas roupas e saímos sem graça da cozinha. Passamos por Cíntia e não pude deixar de reparar no sorriso sem graça estampado no seu rosto. Eu e Samara subimos para o quarto para terminar o que começamos. Samara não dava a mínima para o que houve. Só queria foder.

Continue lendo “Eu, minha namorada e a empregada”

Deixei meu chefe esfregar na minha bunda e não aguentei

Meu nome é Camila tenho 23 anos e tudo aconteceu quando eu tinha acabado de completar 19 anos, sou branca, cabelos castanhos bem claros, quase louros, olhos castanho claro e um corpo muito bonito, pelo menos todos dizem. Eu na época era estagiária em uma empresa e o meu chefe chamava Marcos, era uma pessoa muito legal, inclusive foi ele quem me ensinou todo o serviço, ficamos muito amigos, pois ele tem uma filha um ano mais nova que eu e que mora com a mãe dela em outra cidade, pois ele tinha na época 34 anos e essa filha foi fruto de um namoro quando ele tinha uns 19 anos. No início era um relacionamento de colegas de empresa mas depois de um certo tempo fomos criando uma amizade muito bonita, até trocávamos DVDs e CD’s , acho que ele se apegou a mim por lembrar da filha, pois ela era até um pouco parecida comigo, principalmente na altura 1,70 mts.

Teve um dia, véspera de um feriado prolongado, eu tinha que protocolar alguns documentos no forum e estava chovendo muito e o Marcos que estava de saída falou que me levaria até lá. Fomos até o forum e na volta ele falou que iria no dia seguinte visitar a filha e que tinha comprado várias roupas para ela e que estava morrendo de saudades. Ao passar em frente da sua casa ele parou e disse que precisava pegar um talão de cheques lá dentro e falou para mim entrar pois não queria me deixar dentro do carro com as janelas fechadas por causa da chuva. Na hora fiquei com receio de entrar, mas ele falou tão calmo que acabei entrando com ele. Estava na sala aguardando quando ele me chamou até o quarto para mostrar as roupas que tinha comprado para a sua filha, e eu fui olhando e admirando, pois eram roupas muitos bonitas, tinha blusas, vestidos, algumas saias e até um biquíni, mas eu disse que algumas peças me pareciam pequenas e que poderia não servir nela. Ele ficou olhando e concordou comigo e ai me pediu se poderia experimentá-las, pois o meu manequim era praticamente idêntico ao dela…

Eu na hora falei que não, que não ficaria bem, pois estávamos apenas os dois ali e eu não usava algumas daquelas roupas… (Naquela época frequentava por exigência dos meus pais uma igreja evangélica e sá usava saias) … ele falou que não me olharia e que era apenas para experimentar e dizer qual serviu e qual ficou larga ou apertada… eu acabei cedendo e ele saiu do quarto e encostou a porta e ficou no corredor me perguntando se tinha ou não servido e eu ia experimentando as roupas, até que coloquei um shortinho que ficou bem apertado, entrando bastante no meu bumbum, fiquei me olhando num grande espelho que tinha na parede e naquela hora eu estava apenas com o short e de sutien… fiquei completamente vermelha ao me olhar, eu tava constrangida e ao mesmo tempo excitada em me ver daquele jeito.

Continue lendo “Deixei meu chefe esfregar na minha bunda e não aguentei”

Sexo no cinema

Oi, eu quero compartilhar o meu dia de hoje com vocês, hoje pela manhã acordei e fui trabalhar, trabalho no mesmo local de uma amiga minha, fazia algum tempo que eu queria ir no cinema o que eu não escondia, como converso muito com essa minha amiga passei umas semanas jogando indiretas de que eu queria ir no cinema.

Eu saiu do serviço as 14hrs no mesmo horário que ela, quando estávamos indo pra parada ela me pediu pra ir com ela resolver uma coisa, eu não ia fazer nada em casa, e gosto de estar com ela então eu fui, no caminho conversa vai conversa vem ela me disse que tinha ido no cinema na terça-feira, eu como adoro fazer um drama fiz, disse q fazia tempo q queria ir no cinema e ela foi com outra pessoa e não quis ir comigo, falou que então eu iaria comigo hoje mesmo, se eu quisesse.

Escolhi um filme no qual ela não gostava “terror”, compramos pipoca refrigerante e nos dirigimos a sala 1, chegando lá escolhemos as poltronas do meio onde não tinha sentado ninguém, cinema tava vazio, o que me deu uns pensamentos meio insanos.
Continue lendo “Sexo no cinema”

Fetiche louco com minha namorada

Tenho 27 anos, sou de altura media para baixa, cabelos e olhos castanhos, nem gordo nem magro, enfim um cara bem normal eu diria rs. Uma característica que me diferencia dos outros caras é ser completamente tarado, a qualquer hora e em qualquer lugar. Se tratando de homens isso é normal mas eu com certeza sou acima da média.
Gosto de fazer qualquer putaria e dos jeitos mais loucos possíveis e em qualquer lugar, quanto mais safada a brincadeira melhor.

Também sou viciado em pornografia em forma de contos, vídeos, fotos, historias e qualquer coisa que envolva sexo. Isso talvez tenha me levado a procurar um pouco de tudo em matéria de sacanagem e por incrível que parece”quase” tudo me agrada, ou seja, minha cabeça é bem aberta.

Todos os meus contos são reais e caso não for vou deixar bem claro que é fruto da minha mente insana. Espero que goste e você sempre vai encontrar essa especie de cabeçalho em meus contos pra que possa incentivar sua imaginação e pra que fique mais claro que é tudo real de fato.

Continue lendo “Fetiche louco com minha namorada”

Amiga da minha esposa

Ola meu nome ´Fabio ( Ficticio ), tenho 39 anos,loiro, olhos verdes Prof. de Ed. Fisica, sou casado com uma bela morena de 32 anos.A Bel ( Ficticio ) tem uma amiga Sandra que é um tesão de mulher casada, com Marcos e a amizade delas deu inicio com a das filhas na escola. Fomos convidados por um outro casal em comun para um aniversario em um Sitio em Itú – SP, este seria no domingo porem os mais chegados foram convidados a ir no sabado para uma noite de bebidas e churrasco.Estavamos em aproximadamente uns 10 casais e mais alguns amigos e amigas.O forró a cerveja e o churrasco comia solto, e amulherada de biquini na beira da piscina éra uma tentação principalmente a Sandra que tem um senhor rabão é uma delicia de mulher, e as vezes me olhava com um olhar malicioso e tentador.La pelas 2 horas da manha algunhas pessoas começaram a se recolher para dormir inclusive minha esposa, as minhas filhas ja dormiam a muito tempo, ficaram apenas 3 casais e mais uma senhorita e mais dois senhoritos,o Marcos marido da Sandra estava meio alto misturou tudo cachaça,cerveja, caipirinha, e foi dormir quase que carregado, a Sandra ficou sozinha, e eu começei a adimira-la mais explicitamente e ela tambem, a certa altura fui buscar uma cerveja e ela foi atras, na cozinha me perguntou se eu a achava sexy, disse que muito, e ela me perguntou se eu não estava mentindo disse que não, e ela disse que seu marido tinha perdido o tesão por ela e que á 3 meses não a procurava e que estava carente, falei para ela que poderia resolver este problema e éla dando uma de ingênua perguntou como, falei que a hora que todos fossem dormir inclusive nós( iamos só fingir ), iriamos nos encontrar em um local do sitio bem escondidinho, ela topou. Me certifiquei que a Bel estava mesmo dormindo, e estava mesmo pois quando bebe apaga.Me encontrei com a Sandra em um local bem reservado éla disse que todos estavam dormindo e que seu marido tinha desmaiado.Não resisti a beijei gostoso, dando leves mordidinhas em seu pescoço e nuca arrancando suspiros dela, ela não controlando o tesão e o medo pediu para eu colocar logo, dizendo enfia este pinto na minha buçeta meu macho gostoso, a aclmei beijando-a e chupando seus peitos e descendo até sua buçetinha ensopada dei varias chupadas e mordidinhas em seu grelinho, ela gozou gostoso e quase gritou, mas se controlou e ao se recuperar me chupou gostoso, não aguentando o tesão e com medo tambem, a coloquei de costas e a penetrei forte e metia gostoso ora bem forte ora bem fraco, até que não aquentando mais ela gozou e em seguida eu tambem, foi tanta porra que vazou muito da sua buçeta.Fomos dormir e no outro dia fingiamos que nada tinha acontecido, mas o tesão é grande por ela e espero a proxima oportunidade para de novo come-la gostoso.

Ficantes numa fodida excitante

Larissa com 1,76 de altura, pesando 60kg bem distribuídos. Loira, de cabelos longos, seios médios, de bumbum grande, e barriga sequinha resolve marcar um encontro com seu ficante Roni com 1,80 de altura, pesando 78kg de puro tesão, bem definido, moreno dos olhos claros, cabelo curto e arrepiado, com um mastro grosso e grande de 26cm. Pela manhã eles resolvem marcar um encontro via internet, Larissa diz que está muito afim de encontrar Roni, e Roni responde Larissa com rapidez dizendo que quer muito ficar com ela, então eles marcam se encontrar em frente a casa de Roni às 17h da tarde. Larissa se prepara para encontrar seu ficante a tarde, trata muito bem seu corpo, enquanto Roni fica deitado imaginando o corpo escultural que Larissa possui. Já chegando o horário dos dois se encontrarem, Larissa toma um bom banho, enquanto Roni se perfuma todo e arruma o seu quarto à espera de Larissa. Chegando às 17hs da tarde Larissa liga para Roni e diz que está se aproximando da casa dele, Roni sai para fora, e avista Larissa chegando, quando Larissa se aproxima dele, eles se beijam intensamente, enquanto o beijo acontece a mão boba de Larissa começa a alisar o pau de Roni que fica marcado na bermuda de tão duro e grosso. Larissa dá um sorriso entre o beijo, e ela pede a Roni para convidá-la pra entrar, claro, ele muito ansioso e excitado, pega na mão de Larissa e chama ela pra dentro, ele fecha o portão da casa, e pede para Larissa segui-lo. Continue lendo “Ficantes numa fodida excitante”

Aproveitando com o vizinho na praia

Olá, me chamo Ane Barbosa, tenho 18 anos, sou heterossexual, loira de cabelos longos e lisos, tenho 1,65 de altura, tenho um corpo malhadinho, meus bumbuns são avantajados e tenho seios médios que são siliconados. Freqüento academia há três anos. Adoro ir a praias e gosto de me arriscar em aventuras sexuais.

Olá, me chamo Léo Piracema, tenho 24 anos, sou heterossexual, moreno de cabelo curto, barba bem feita, tenho 1,78 de altura, porto um corpo bastante escultural, devido à academia que freqüento há seis anos. Gosto de sempre estar freqüentando praias e indo atrás de mulheres.

Ane e Léo são vizinhos recentes, Léo se mudou para o mesmo bairro que Ane há três meses, moram na mesma rua e se falam e se cumprimentam sempre que se vêem.

Numa manhã de sábado às 9hs, Ane decide freqüentar a praia mais próxima de sua casa, com roupas bastante abusadas, porém simples, vai sozinha. Chegando lá, coloca uma simples toalha na areia branca e solta, tira seu short e sua blusinha, apenas exibindo seu biquíni extremamente pequeno e adentrado dentro da bunda em seu corpo malhado, se senta em cima da toalha, e fica bem focada na paisagem e na praia bastante deserta. De repente, chega Léo, que se mudou recentemente para o mesmo bairro que ela, para casa ao lado. Ela fica surpresa ao ver Léo, e abri um leve sorrisinho. Ele ao vê-la, abaixa a cabeça e dá um leve sorriso também, tentando se aproximar dela. Ela com uma mente bastante safada, encantada pelo físico do Léo, se deita emborcada na toalha empinando todo o seu rabo. Ele logo morde os lábios ao ver esta cena e tira a bermuda e fica vestido com uma sunga branca mostrando toda a marca da sua pica. Ele, nada bobo e atraído também pela loira gostosa, se aproxima rapidamente e cumprimenta ela, mas com o olhar fixado totalmente no rabo dela. Ela vai e levanta para cumprimentar normalmente ele, e ele fica apenas observando-a e em seguida pergunta para ela: – Tudo bem, Ane? Curtindo uma praiana sozinha? Quer que eu fique como sua companhia? Adoraria e seria o maior prazer! – Ela, logo responde: – Tudo melhor agora, Léo! Sim, estava curtindo sozinha, mas agora que você chegou, não ficarei, mas sozinha. Prazer, digo eu! Continue lendo “Aproveitando com o vizinho na praia”

Sexo no banheiro da boate

Bom, certa vez marquei de ir a uma boate com umas amigas, que por sinal estavam bastante animadas. Chegando lá, percebemos que a boate estava muito lotada, mas assim não desistimos de entrar. E quando entramos avistamos bastante gente bonita e gostosa, dançando, além do sorriso no rosto com um corpo de bebida alcoólica, que começava a deixar todos animados e quase fora de si. Eu e minhas amigas pedimos imediatamente um bom Whisky, na medida que íamos bebendo e conversando, começávamos a nos soltar ao som da música que tomava conta do nosso corpo naquele momento. Depois de muita conversa com as amigas, eu avistei um homem com um corpo escultural, lindo e muito gostoso, eu dei logo inicio a uma certa troca de olhares com ele, fiz ele perceber que eu poderia oferecer algo à ele naquela noite. Quando acabei me distraindo, despercebidamente ele se aproximou de mim, nos conhecemos rapidamente, dai então ele começa a beijar meu pescoço, e eu começando a ficar louca com aqueles beijos arrepiantes. Em seguida, sem avisar as minhas amigas, eu puxo a mão dele e vou em direção ao banheiro da boate, entro no banheiro com ele, numa cabine pequena e apertada, começo a beijar a boca dele loucamente, puxando os cabelos dele, depois ele me pega de jeito e começa a apertar meus seios, e vai descendo a mão alisando a minha barriga, eu levanto meu vestido, e mostro minha bct pra ele, ele coloca dois dedos dele pra eu chupar e em seguida ele enfia dentro da minha bctinha, eu começo a gemer abafadamente, bem gostoso.

Continue lendo “Sexo no banheiro da boate”

Fui um putinho submisso no Motel

Olá, vou contar sobre o que aconteceu comigo, certo dia, num motel. Eu me chamo Pedro, sou gay passivo, tenho 19 anos. Relacionei-me com o Max, que também é gay, sendo que ativo, ele tem 20 anos. Conhecemos-nos através da internet, num site de relacionamento e certo dia resolvemos nos encontrar, nos desejávamos através de fotos sensuais e também de fotos explicitas, mensagens de áudio com palavras sujas, nos identificamos bastante, eu me sentia bastante ansioso para vê-lo, tinha me arrumado, me depilado, totalmente limpo para encontrá-lo. Marcamos de se encontrar na frente de um motel bastante luxuoso na cidade de São Paulo. Quando o dia tão esperado chegou, eu me encontro na frente desse motel esperando-o, e quando avisto um homem bastante forte e muito malhado, com algumas tatuagens no antebraço, me sinto totalmente atraído por ele, torcendo para que fosse o Max. E quando de repente, meu celular toca e é ele me ligando, nos falamos e realmente, aquele cara que desejei na frente do motel, era ele, o Max. Fiquei com um sorriso de canto a canto na boca, tentei puxar assunto com ele, e ele me parecia bem legal e atencioso. Entramos no motel e ele pegou as chaves, subimos para o quarto, de elevador, e no elevador ele é totalmente calado, e eu acabei ficando calado também, com medo de envergonhá-lo. Quando o elevador chegou ao andar do nosso quarto, quando a porta do elevador abre, ele me permite sair na frente dele, quando sinto uma mão grande, forte e calosa apertando meu rabo, por cima da calça jeans, eu já um pouco espantado sem esperar por aquilo, falo: – Ohhh! Que isso?! – Aí ele me responde: – É só minha mão Pedrinho, gostaria que fosse minha jeba enorme aí? – E depois que fala isso começa a sorrir – um sorriso totalmente encantador e branco – Eu fico vermelho de vergonha, mas teria que acompanhar o ritmo, porque há pouco tempo estaria sendo comido pela pica dele. Então, ele abre a porta do quarto, muito gentil comigo, me permite passar na frente dele mais uma vez, então dessa vez me dá um tapa na minha bunda, me fazendo ir pra frente, eu ainda continuo vermelho, e com um tesão para ser fodido naquele momento.

Continue lendo “Fui um putinho submisso no Motel”