Quando dei para meu professor da faculdade

Era mais uma terça-feira de aula na minha faculdade de psicologia. Eu, Daniele, após quatro meses, já estava bem habituada ao ambiente, tinha alguns amigos, vários colegas e até batia papo com os professores. Um deles me chamava bastante a atenção, seu nome era Robson, um moreno alto que dava aula de Introdução à Psicologia.

Robson tinha 32 anos e eu somente 18, mas não ligava para isso. Lembro que a cada aula dele não conseguia tirar os olhos de seu corpo. Simplesmente, o homem me seduzia. Por causa disso, acabava tendo um pouco de dificuldade para me concentrar nas aulas. Por incrível que pareça, a matéria dele era a única que estava indo mal.

Naquele dia, ao final da aula, Robson dispensou todos os alunos, mas pediu para que eu ficasse, pois queria conversar comigo. Meu coração acelerou tanto que só faltava sair pela garganta. Ele me pediu para sentar e assim eu fiz. Ficou de pé na minha frente e começou a falar das minhas notas, que por sinal estavam baixas, com sua voz grossa, porém de forma doce e educada. Eu tentava prestar atenção ao que ele me dizia, mas não conseguia tirar os olhos de seu pau na calça jeans apertada que usava.

Comecei a ficar molhada e excitada, já não ouvia mais nada, só o meu desejo de possuí-lo. Não sei o que me deu naquele instante, mas minha mão avançou para a calça dele, na região de seu pênis. Na hora, parou de falar, me olhou com estranheza, mas logo deu um sorriso, ele tinha adorado e provavelmente esperava que eu fizesse algo. Foi o que aconteceu, ao perceber que estava me desejando naquele instante, não perdi tempo e fui logo abrindo seu zíper. Abaixei sua calça jeans e sua cueca e comecei a masturbá-lo. Dava para ver na sua cara o prazer que estava sentindo.
Continuei masturbando meu professor por alguns instantes e percebi que precisava de mais. Passei minha língua molhada em meus lábios carnudos. Eu estava usando um batom vermelho naquele dia. Meu professor me olhou e deu para ver que estava ficando mais excitado ainda. Segurei o pau duro dele com uma mão e fui aproximando meu rosto. Provoquei-o com minha língua passando pela cabecinha e dando algumas mordidinhas de leve. Logo coloquei seu pau dentro da minha boca. Nunca tinha feito, mas estava tão excitada que coloquei o pinto do morenão inteiro em minha boca, ele era grande e chegava até minha garganta, mas não me importava.

Depois de um tempo pagando boquete, ele quis me recompensar, avançou em mim como um leão, foi me beijando e tirando minha calcinha. A essa altura, já era até de se imaginar que eu estivesse encharcada. Fiquei mais ainda quando ele desceu e começou a chupar minha xana todinha. Ele fazia um sexo oral perfeito, uma maneira que ninguém nunca tinha feito, e olha que já tinha recebido de vários caras.

Quando eu já estava quase gozando, ele se levantou, veio com seu pau grosso para perto. Minha excitação aumentava a cada instante. Deu-me um beijo tão quente que me fazia suar e, finalmente, penetrou. Começou fazendo movimentos lentos e aos poucos foi aumentando. Levantou minha blusinha e meu sutiã. Começou a tocar meus seios com aquelas suas mãos grossas ao mesmo tempo em que me comia. Por mais que eu me segurasse, não havia como não gemer naquela situação. Comecei gemendo baixinho, mas quanto mais tempo passava, mais alto eu gemia. Finalmente, dei o gemido mais alto do dia ao mesmo tempo em que arranhava os braços de Robson, tinha gozado. Ele, cavalheiro do jeito que é, esperou eu terminar, tirou seu pau e se masturbou até encher meu rosto de esperma.